Entenda a sigla LGBTQIA+

Nos anos 90 usava-se o termo GLS para se referir às comunidades  de gays, lésbicas e simpatizantes, no entanto, trans, bissexuais dentre outros grupos não eram representados por estas três letrinhas, vendo assim, uma necessidade de se modificar a sigla, a fim de incluir a todos.

A atual sigla, LGBTQIA+,  inclui gênero e sexualidade, objeto de muitas dúvidas, uma vez que são dois assuntos complementares, mas que não são necessariamente condicionados um ao outro e possuem denominações distintas. Vamos entender isso melhor?

Gênero: Se refere a tudo aquilo que foi ”definido” ao longo tempo e que a nossa sociedade entende como o papel, função ou comportamento esperado de alguém com base em seu sexo de nascimento (biológico).
Sexualidade: Se refere a expressão afetivo- sexual,  desejos e estímulos com que trazem sensações gostosas para cada indivíduo, podendo ser pessoas do mesmo sexo ou não.

De volta à sigla, a mesma possui duas partes. A primeira, LGB se refere à orientação sexual do indivíduo, que pode ser:

L: lésbica, mulher que se identifica como mulher e tem preferências sexuais por outras mulheres.

G: gays, homens que se identificam como homem e têm preferências sexuais  por outros homens.

B: bissexuais, que têm preferências sexuais por ambos os gêneros.

A segunda parte, TQIA+, diz respeito ao gênero:

T: transexuais, travestis e transgêneros, que são pessoas que não se identificam com os gêneros masculino ou feminino atribuídos no nascimento com base nos seus órgãos sexuais.

Q: questionando ou queer, são as pessoas que não se identificam com padrões impostos pela sociedade e transitam entre os gêneros, sem concordar com tais rótulos, ou que não saibam definir seu gênero/orientação sexual.

I: intersexo – identidade de gênero de pessoas cujo desenvolvimento sexual corporal (seja por hormônios, genitais, cromossomos ou outras características biológicas) não se encaixam na forma binária masculino-feminino.

A: assexuais, são aqueles que não sentem atração afetivo-sexual por outra pessoa, independente de orientação sexual nem de identidade de gênero.

Por fim, o +, que há uns anos foi incorporado à sigla, abrangendo outras possibilidades.

E uma dica de ouro, bem simples para não fazer feio quando não tiver certeza quanto ao gênero de alguém e como chama-la, pergunte o nome que não tem erro.